Justiça Federal capixaba sedia IV Fonage e ganha prêmio “Boas Práticas” da Ajufe*

Justiça Federal capixaba sedia IV Fonage e ganha prêmio “Boas Práticas” da Ajufe*
IV Fonage
Os des. federais do TRF2 Ivan Athié, Luiz Antonio Soares e Ferreira Neves entregam o prêmio “Boas práticas relacionadas à implementação das ODS (Objetivos para Desenvolvimento” à juíza federal Cristiane Chmatalik e aos servidores Neidy Torrezani e Carlos Damásio, vencedores com o projeto “Usina Fotovoltaica na SJES”, desenvolvido pela equipe do Núcleo de Obras e Manutenção (NOM), em especial o engenheiro Milton Menegaz.
Os des. federais do TRF2 Ivan Athié, Luiz Antonio Soares e Ferreira Neves entregam o prêmio “Boas práticas relacionadas à implementação das ODS (Objetivos para Desenvolvimento” à juíza federal Cristiane Chmatalik e aos servidores Neidy Torrezani e Carlos Damásio, vencedores com o projeto “Usina Fotovoltaica na SJES”, desenvolvido pela equipe do Núcleo de Obras e Manutenção (NOM), em especial o engenheiro Milton Menegaz.
Atleta Laís Souza.
Atleta Laís Souza.
Realizadas no Laboratório de Inovação da SJES, as dinâmicas utilizaram a metodologia do Design Thinking. Para isso, os participantes contaram com o auxílio dos servidores que compõem o time de inovação da SJES.
Realizadas no Laboratório de Inovação da SJES, as dinâmicas utilizaram a metodologia do Design Thinking. Para isso, os participantes contaram com o auxílio dos servidores que compõem o time de inovação da SJES.
A reunião dos diretores de foro também foi realizada no Laboratório de Inovação da Seção Judiciária.
A reunião dos diretores de foro também foi realizada no Laboratório de Inovação da Seção Judiciária.

A Justiça Federal do Espírito Santo (JFES) sediou de segunda a quarta, 2 a 4/9, o IV Fórum Nacional de Administração e Gestão Estratégica (Fonage), promovido pela Associação dos Juízes Federais (Ajufe). O objetivo do Fórum é estimular a criação e sistematização de políticas administrativas para o sistema de Justiça brasileiro, além de buscar soluções para uma gestão democrática, prospectiva e eficiente do Poder Judiciário.

O evento, que reuniu juízes federais de todo o Brasil em Vitória, teve como tema “A Gestão do Judiciário na Agenda 2030”.

Na abertura, o presidente da Ajufe, Fernando Mendes, elogiou a integração entre as associações regionais e os órgãos do Poder Judiciário para a realização do IV Fonage. “Essa integração é fundamental para que possamos pensar a Justiça do Futuro. A pauta da Agenda 2030 é muito importante, principalmente, porque precisamos fazer cada vez mais com menos. Por isso, precisamos nos reinventar para que o Poder Judiciário cumpra seu papel”, avaliou.

O desembargador federal Luiz Antonio Soares, do TRF da 2ª Região, declarou que “a 2ª Região tem grande expectativa em relação a esses trabalhos em que os juízes se reúnem para verificar, com os recursos tecnológicos que temos à disposição, o aprimoramento das atividades judiciárias”. “Verdadeiros desafios vão exigir uma certa reinvenção da atividade jurisdicional. Que todos levem daqui lições muito importantes para o aperfeiçoamento da Administração, em especial nessa época em que os recursos financeiros não são os mais promissores”.

A diretora do foro da Seção Judiciária do Espírito Santo, juíza federal Cristiane Conde Chmatalik, que coordenou o Fórum em parceria com o juiz federal Marcelo Lelis, destacou: “O Fonage é um dos eventos mais especiais que a Ajufe patrocina, principalmente para quem pretende ter a formação de diretor do foro, função que exige cada vez mais profissionalização”. A magistrada disse ainda da importância de se ter uma rede de diretores do foro que possam trocar experiências, “as boas práticas que estão acontecendo no Brasil todo”. “Cada vez mais colegas estão demonstrando que têm aptidão para a questão da inovação, o que para nós é muito importante”, revelou.

Também participaram do evento a conselheira do CNJ, Maria Tereza Uille, os presidentes do TRF1 e do TRF3, Carlos Moreira Alves e Therezinha Cazerta, respectivamente, os desembargadores federais do TRF2 Ivan Athié e Ferreira Neves, o diretor da Caixa Jailton Zanon e o juiz federal Osair Victor de Oliveira Junior, diretor da Seção Judiciária do Rio de Janeiro (SJRJ), que também integrou os grupos de trabalho do Fonage.

 

Boas práticas

Logo após a cerimônia, os participantes acompanharam o talk show “Inovação no Judiciário – Visual Law, Ciência de Dados e Design no Direito”, com o CEO da Future Law, Alexandre Zavaglia, e o especialista em Governo Digital, Ademir Milton Piccoli. O debate foi mediado pelos juízes federais Cristiane Chmatalik e Marco Bruno Miranda Clementino.

A cerimônia ainda contou com o lançamento da Rede Nacional dos Centros de Inteligência, com viabilização no portal da Ajufe, que permitirá a interligação entre os Centros de Inteligência da Justiça Federal. E também com a Premiação Ajufe Boas Práticas de Gestão, que tem o objetivo de identificar, valorizar e destacar experiências exitosas realizadas na Justiça Federal. Nesta quarta edição do Prêmio, além das quatro categorias tradicionais (magistrados, servidores, estagiários e estudantes), foi premiada a categoria especial, que selecionou práticas relacionadas à implementação dos ODS (Objetivos para Desenvolvimento Sustentável), agenda 2030 da Organização das Nações Unidas. Veja o resultado aqui: http://bit.ly/2lBrikA.

A ex-ginasta brasileira Laís Souza encerrou a noite de abertura do IV Fonage contando sua história de vida, com o tema “Transformar o futuro é possível”.

 

Rumo a 2030

Na manhã de terça-feira, os participantes do evento assistiram à palestra “Agenda 2030 no Poder Judiciário”, com a conselheira do Conselho Nacional da Justiça (CNJ), Maria Tereza Uille Gomes, e tiveram a oportunidade de escolher oficinas sobre acesso à justiça – inovação para o desenvolvimento global, transparência e gestão orçamentária e Justiça Federal inclusiva. Este último tema foi trabalhado na oficina conduzida pelo ex-conselheiro do CNJ Fernando Mattos, titular da 1ª Vara Federal de Execução Fiscal de Vitória, em parceria com o desembargador federal Paulo Sérgio Domingues.

 

Carta de Vitória

A programação do IV Fonage se encerrou nesta quarta-feira, 4, com palestras de representantes da Caixa e da Plural, além da aprovação da Carta de Vitória e de oito recomendações que serão encaminhadas ao Conselho Nacional de Justiça, Conselho da Justiça Federal e Tribunais Regionais Federais. As propostas são fruto dos trabalhos desenvolvidos nas oficinas de inovação e nos ‘lounges’ de discussão do Fórum.

Pela manhã, foi realizada a Corrida “Agenda 2030”, com largada na Enseada do Suá. Os participantes contornaram a Praia do Canto e a Praia de Camburi. Chegaram em primeiro lugar, na categoria 3,5 km, os juízes federais Aline Lazzaron e Marcelo Albernaz, e na categoria 7km os juízes federais Ara Cárita Mascarenhas e Jefferson Ferreira Rodrigues. Participou da corrida, representando os servidores, a diretora do Núcleo de Contadoria (Nucont) da Seccional capixaba, Magda Aparecida Chagas Pereira.

No encerramento, a diretora do foro da SJES, Cristiane Chmatalik, agradeceu a participação de todos e, em especial, aos servidores, terceirizados e estagiários que se empenharam para o sucesso de toda a programação em Vitória.

 

*Com informações da SJES

 

<< Voltar