Atendimento dos juizados (sem advogado)

Orientações sobre o primeiro atendimento

Você sabia que pode fazer seu pedido diretamente em nosso sistema processual eProc, pela internet, sem precisar de Advogado ou de nosso serviço de 1º Atendimento?

Você pode fazer seu cadastro no eProc para atuar em nome próprio (como Jus Postulandi) e dar entrada em seu processo sem precisar sair de sua casa, usando um computador ou um telefone celular com acesso à internet.

Não é obrigatório passar pelo 1º Atendimento.

Estão disponíveis em Documentos necessários e orientações para ajuizar ação, todas as informações para que você possa ajuizar sua ação diretamente no sistema eProc, sem auxílio de Advogado ou do serviço de 1º Atendimento.

O serviço de 1° Atendimento visa garantir a todos os cidadãos acesso aos Juizados Especiais Federais.

É composta exclusivamente por servidores e estagiários da Justiça Federal e orienta sobre os documentos necessários para propor uma ação e auxilia a redação do pedido inicial, nos termos narrados pelo autor.

Por meio do serviço de 1º Atendimento Online, nossa equipe poderá ajudá-lo com a elaboração da petição inicial e distribuição de seu processo no eProc.

Para isso, você deverá nos informar seus dados e enviar todos os documentos necessários por meio do sistema e nossa equipe de atendimento irá elaborar a petição inicial (pedido para o juiz) e realizará a autuação do processo no eProc para você.

O serviço de 1° Atendimento limita-se a redigir o pedido (petição) inicial. Em seguida, o próprio interessado deverá dar entrada em seu processo e acompanhar o andamento na internet ou no juizado para onde a ação for distribuída.

O próprio autor deverá providenciar e juntar petições no decorrer do processo, caso seja necessário apresentar algum documento ou prestar alguma informação.

Não há garantia de sucesso: a decisão depende de o pedido do autor se enquadrar em situação específica, na qual há chances de ser atendido.

Entrar com uma ação não significa ganhar a causa. Alguns pedidos são considerados improcedentes: nesses casos, os juízes não têm dado ganho de causa.

Caso o autor queira recorrer da sentença, precisará da assistência de um advogado ou da Defensoria Pública da União. Na 1ª instância, todos os atos são gratuitos, mas, para recorrer, é preciso pagar custas.

 

<< Voltar